Comece o consórcio residencial com o dinheiro do aluguel

Saiba como fazer o planejamento para conquistar seu imóvel próprio

Otimizar os recursos financeiros é muito importante para aumentar o patrimônio. Por isso, usar a parcela do aluguel no consórcio residencial tem sido uma alternativa muito interessante para aqueles que desejam adquirir a casa própria.

Recentemente, uma pesquisa feita pela Startup Quinto Andar, em parceria com o Datafolha, mostrou que aproximadamente 27% dos brasileiros vivem em imóveis alugados.

O estudo trouxe outros dados que são muito interessantes: os jovens de 21 anos a 24 anos sonham em ter a casa própria.

Ou seja, o desejo de ter um apartamento para morar ou uma casa para viver sem ter que pagar aluguel ainda está muito presente na nossa cultura e, mais importante do que isso, faz parte dos objetivos pessoais de quase toda as gerações.

Porém, sabemos que os passos de construção de patrimônio requerem planejamento financeiro e tomadas de decisões para que o dinheiro seja utilizado da maneira mais inteligente, apresentando o melhor rendimento possível dentro de um período.

Por exemplo: se você vai pagar R$ 1 mil de aluguel por 5 anos, totalizando R$ 60 mil durante este período (descontando as correções), não é mais interessante usar este dinheiro para investir em um consórcio de imóveis e comprar a casa própria?

De fato, a lógica mostra que é mais viável investir em um imóvel próprio do que pagar aluguel por longos períodos.

Para quem deseja ter uma casa própria, usar o valor do aluguel para pagar um consórcio é uma excelente alternativa para conquistar este objetivo com mais planejamento e economia.

Como comprar uma casa própria com o valor do aluguel

Você pode estar pensando: “se vou usar o dinheiro do aluguel para pagar o consórcio, onde vou morar?”.

Sem dúvidas, usar o dinheiro do aluguel para comprar uma casa própria através do consórcio residencial requer um planejamento financeiro e uma reorganização da vida, pelo menos por um período.

Neste caso, seria interessante aumentar um pouco sua margem para investir no consórcio de imóveis para sair do aluguel e, ao mesmo tempo, reduzir seu custo de moradia por um momento.

Veja este caso: se você diminuir o seu custo com moradia para R$ 700,00 e economizar R$ 700,00 para investir em uma casa própria através do consórcio, em poucos anos você se livra definitivamente do aluguel.

Para tanto, basta um pouco de planejamento financeiro e alguns ajustes na rotina, sempre mantendo o foco em sair do aluguel.

Lembrando que um pouco de sacrifício momentâneo vale à pena, especialmente para aqueles que desejam encontrar uma forma de sair do aluguel.

Implicações do aluguel de casa ou apartamento

Além dos gastos com o valor do aluguel de casa ou apartamento, quem mora em um imóvel que não é próprio precisa lidar com alguns custos extras.

Estes valores gastos de forma adicional podem ser revertidos em um investimento na casa própria, como em uma reserva financeira para dar um lance no consórcio.

No aluguel de apartamento, o inquilino fica responsável pelo valor do pagamento da taxa de condomínio.

Já na locação de uma casa, os gastos com manutenção, como limpeza de jardim, também ficam para o inquilino.

Ao colocar na ponta do lápis todos estes gastos, começa a ficar ainda mais interessante pensar em uma estratégia para sair do aluguel através do consórcio.

Além disso, caso não tenha um fiador (uma pessoa com imóvel próprio quitado e que ficará responsável por pagar seu aluguel caso haja algum imprevisto), o inquilino poderá pagar para a imobiliária um adiantamento/seguro fiança.

Este, costuma ter o valor de 3 aluguéis, dinheiro que pode ser revertido para criar uma reserva para dar um lance em um consórcio residencial, por exemplo.

Outra desvantagem do aluguel é o aumento repentino de preços devido à lei de oferta e procura.

Em algumas cidades é normal perceber o crescimento na procura por imóveis para alugar com o passar dos anos. Isso faz com que casas e apartamentos se tornem ainda mais inacessíveis para locação.

Vale ressaltar que, caso o inquilino precise deixar o imóvel alugado antes de 1 ano no local, a maioria dos contratos apresenta multa.

Então, basta ir somando todos os custos e pensando que, se fossem direcionados para o consórcio de imóveis, você poderia ter um patrimônio mais rápido do que pensa!

Vantagens do aluguel

Já sabemos que o consórcio de imóveis é uma excelente opção para aqueles que sonham em conquistar a “casa própria”, termo mais popular para pessoas que querem ter uma casa ou apartamento para sair do aluguel.

Porém, temos que destacar as vantagens do aluguel, principalmente para quem não precisa ter um imóvel próprio. Veja as principais:

  • Trocar de casa ou apartamento para plantas maiores ou menores, conforme sua necessidade;
  • Ter flexibilidade para mudar de cidade, caso seja necessário por causa de sua profissão;
  • Rescisão de contrato com facilidade, principalmente após 1 ano de locação;
  • Gastos com reforma, manutenção estrutural ou instalações elétricas ficam sob responsabilidade do proprietário;
  • Entre outros benefícios.

Na prática, o aluguel acaba sendo uma boa solução temporária para muitas pessoas.

A sugestão é que seja feito um planejamento do valor do aluguel e por quanto tempo você deseja viver em um imóvel alugado, para separar um valor mensal para o seu consórcio de imóveis.

Caso não faça este planejamento, a tendência é que você se torne um dependente do aluguel por um período indeterminado, e isso pode gerar um arrependimento no futuro.

Como o tempo passa depressa e ficamos envolvidos com nossas tarefas do dia a dia, como estudo, trabalho e família, em 3 ou 5 anos você perceberá que poderia ter um apartamento ou casa no seu nome, para chamar de seu, se tivesse se programado um pouco.

Vantagens do consórcio para sair do aluguel

Aqueles que desejam sair do aluguel e ter uma casa própria acabam escolhendo o consórcio de imóveis por diversos motivos, mas o principal é porque o consórcio residencial não tem juros.

Os juros bancários se tornam um verdadeiro impeditivo para muita gente que não quer pagar parcelas altas por 30 anos, por exemplo.

No financiamento de imóveis, o cliente pode chegar a pagar um apartamento ou uma casa a mais de juros para o banco. É um enorme desperdício de dinheiro!

Este valor desperdiçado em juros bancários poderia ser direcionado para outros objetivos de vida, como uma faculdade, viagem, consórcio de veículos ou mesmo mobiliar a casa própria.

A Porto Seguro tem o consórcio de imóveis com créditos a partir de R$ 70 mil.

O consórcio residencial Porto tem opções de planos com parcelas reduzidas até a contemplação, excelente alternativa para quem pretende substituir parte do aluguel para ter um imóvel próprio.

Os clientes também podem usar o FGTS no consórcio, seguindo as regras da Caixa Econômica Federal. Assim, é possível acelerar a contemplação com lances.

Porto Vale Consórcio

Se faz parte do seu objetivo de vida ter uma casa própria ou um apartamento no seu nome, mas você mora de aluguel e precisa de uma orientação para fazer todas as contas e colocar o plano em prática, peça um atendimento consultivo da Porto Vale Consórcio.

A Porto Vale é a maior revendedora de consórcios Porto Seguro do Brasil, tem uma equipe de suporte ao cliente completa, que ajuda a fazer todo o passo a passo para que você tome a decisão mais interessante para ter seu imóvel, pensando em curto, médio e longo prazo.

A empresa adota um modo de operação diferenciado, voltado para ajudar as pessoas a realizarem seus sonhos e objetivos de vida por meio do consórcio, pois sabe como é importante evitar pagar juros bancários. Fale com a equipe da empresa agora mesmo!

Consórcio residencial é a melhor maneira de sair do aluguel

Quer conhecer todas as condições e benefícios oferecidos pelo consórcio residencial para sair do aluguel? Acesse o artigos da Porto Vale!

Entenda por que a opção vem ganhando mais adeptos

O consórcio residencial é uma modalidade de aquisição de imóveis que vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil, principalmente em função das diversas facilidades e benefícios que o sistema de consórcios oferece.  

Essa forma de investimento, ou melhor, de auto investimento, permite que um grupo de pessoas se junte para formar um fundo comum, que será utilizado para a compra do imóvel de interesse de cada consorciado.

Assim, o consórcio residencial funciona como uma opção planejada e mais segura de poupança, que pode ser usada para a aquisição de imóveis de diferentes categorias, como:

  • Terrenos;
  • Apartamentos;
  • Casas de praia;
  • Unidades comerciais;
  • Casas rurais.

Mensalmente, um ou mais participantes são contemplados por sorteio ou por lance, e recebem a carta de crédito para a aquisição do imóvel.

Cada grupo de consórcio residencial contará com suas próprias particularidades em relação ao valor da carta de crédito, que corresponde ao preço do imóvel almejado, prazo do grupo e número de participantes, além das normas particulares estabelecidas pela empresa administradora do consórcio.

Consórcio residencial x Financiamento de imóvel

Na hora de adquirir um imóvel, muitas pessoas se deparam com duas opções: consórcio residencial ou financiamento de imóvel.

O financiamento de imóvel é uma modalidade de crédito oferecida por bancos e instituições financeiras para aquisição de imóveis.

Nessa modalidade, o comprador realiza um empréstimo junto à instituição financeira, que paga o valor total do imóvel ao vendedor.

O comprador, por sua vez, pagará parcelas mensais acrescidas de juros e outras taxas até quitar o empréstimo.

Apesar de ser uma das opções mais comuns, nos últimos anos a busca por financiamentos caiu graças às dificuldades de acesso ao crédito.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança – a Abecip, em 2022, o setor registrou uma queda de 6%.

Diante deste cenário, mais pessoas passaram a dar preferência para o consórcio residencial.

Aqui, vale ressaltar que, além de oferecer um processo de análise de crédito mais simples, em comparação com a avaliação realizada pelas instituições bancárias, o consórcio residencial também traz uma série de outras vantagens em relação aos financiamentos.

Na Porto Vale Consórcio, por exemplo, a análise de crédito é feita de forma criteriosa e personalizada, para que cada caso seja avaliado com cuidado.

De acordo com a gerente Jéssica Paciência, a empresa avalia o score de cada cliente antes de direcioná-lo para um coletivo.

“É interessante que tenhamos clientes com um score bom, pois isso ajuda a fortalecer o grupo”, explica ela.

Por que o consórcio residencial é vantajoso para quem quer sair do aluguel?

No Brasil, a maior parte da população que ainda paga aluguel deseja adquirir um imóvel próprio, mas tem dificuldade para a realização deste sonho.

É o que aponta uma pesquisa realizada pela startup de venda e aluguel de imóveis Quinto Andar, em parceria com o Datafolha.

De acordo com o estudo, 57% dos entrevistados que pretendem mudar de casa nos próximos dois anos querem comprar um imóvel, mas só 45% desta parcela já tem um planejamento financeiro para colocar este desejo em prática.

Conseguir poupar o suficiente para oferecer ao menos a entrada do imóvel é um dos principais desafios, algo que se reforça pela falta de educação financeira e pela dificuldade de juntar dinheiro por meios tradicionais, como a poupança.

Se você se enquadra nesse perfil, saiba que optar por um consórcio residencial pode ser a escolha perfeita para as suas necessidades.

Isto porque os consórcios de imóveis oferecem diferentes tipos de grupos, com valores e prazos específicos, o que te permite ter mais facilidade na hora de encontrar um grupo que, de fato, caiba no seu bolso.

Além disso, existe ainda uma série de benefícios oferecidos pelo consórcio residencial. Entre as principais vantagens desse modelo, podemos destacar:

1 – Realização de um investimento com o planejamento financeiro adequado

Uma das principais vantagens do consórcio residencial é a possibilidade de planejar melhor as finanças. Isso porque, ao aderir a um consórcio, é possível escolher um grupo cujo valor mensal a ser pago para formar o fundo comum se adeque às suas necessidades e possibilidades.

Dessa forma, é possível programar-se financeiramente para assumir um compromisso de longo prazo, sem que isso comprometa o orçamento mensal.

2 – Mais poder de negociação na hora de buscar pelo imóvel ideal

Ao aderir a um consórcio, o comprador tem mais poder de negociação na hora de adquirir o imóvel. Isso porque, com a carta de crédito contemplada em mãos, o interessado pode efetuar o pagamento à vista, já que a carta corresponde ao valor total do imóvel.

Assim, é possível negociar um valor mais vantajoso com o vendedor, além de poder escolher entre as melhores opções disponíveis no mercado, já que o consórcio possibilita o acesso a imóveis que, muitas vezes, não seriam possíveis de ser adquiridos por meio de outras alternativas, como o financiamento, por exemplo.

3 – Mais flexibilidade

O consórcio residencial também oferece uma maior flexibilidade ao comprador. Afinal, existem vários grupos diferentes, que visam imóveis de diversas categorias e que apresentam valores distintos.

Dessa forma, é possível escolher um plano que melhor se adapte às suas necessidades e condições financeiras.

Além disso, é possível conquistar a contemplação em qualquer momento do plano, permitindo maior liberdade de escolha e planejamento.

4 – Garantia de mais economia

Por fim, uma das principais vantagens do consórcio residencial é o fato de ele ser uma opção mais barata para ter acesso a um imóvel, graças à ausência da cobrança de juros.

Além disso, como se trata de um compromisso financeiro de longo prazo, as parcelas mensais também costumam ser bem menores do que aquelas presentes em um financiamento imobiliário. 

Apenas uma taxa administrativa é cobrada para gerenciar o consórcio, o que torna essa modalidade mais acessível para quem não tem condições de arcar com os altos juros praticados pelo mercado.

Além disso, vale destacar que várias pessoas do grupo serão contempladas nos primeiros meses do consórcio, o que significa que terão acesso ao bem desejado.

Taxas pagas no consórcio residencial

Como falado anteriormente, além da parcela mensal, os participantes do consórcio residencial precisam estar atentos às taxas e custos envolvidos na modalidade. A seguir, listamos as principais taxas cobradas no consórcio residencial:

Taxa de administração

A taxa de administração é cobrada pela administradora do consórcio para cobrir os custos com o gerenciamento do grupo, como o suporte técnico oferecido pelos consultores especializados, a manutenção do espaço e das ferramentas usadas para o funcionamento do coletivo.

Essa taxa é fixa e é calculada sobre o valor total da carta de crédito. Em geral, a taxa de administração varia entre 1% e 2% do valor total do imóvel, podendo ser maior ou menor de acordo com cada empresa.

Fundo de reserva

O fundo de reserva é uma reserva financeira criada pelo grupo para cobrir possíveis inadimplências ou imprevistos. A taxa cobrada para formação do fundo de reserva costuma variar em torno de 2% do valor total do imóvel.

Seguro de vida

O seguro de vida é obrigatório no consórcio residencial e costuma ser contratado no momento da adesão.

Esse seguro tem como objetivo proteger o grupo em caso de falecimento ou invalidez permanente de um participante contemplado. O valor do seguro pode variar de acordo com a idade e condições de saúde do participante.

Taxa de avaliação

A taxa de avaliação pode ser cobrada por algumas administradoras de consórcio para avaliar o imóvel escolhido pelo participante contemplado. Ela também é calculada de acordo com o valor do imóvel.

Seguro desemprego

Opção oferecida por algumas empresas, esta taxa não é obrigatória, mas pode ser bastante vantajosa.

Como o nome indica, ela serve como garantia de que o consorciado não terá seu investimento comprometido por um possível desemprego.

Caso venha a se encontrar nessa situação, o seguro cobre alguns meses do consórcio para garantir que o mesmo não seja interrompido.

Impostos e taxas do imóvel

Além das taxas cobradas pela administradora do consórcio, também é importante que o participante do grupo já coloque os impostos e taxas do imóvel que pretende comprar na conta do seu planejamento.

Entre esses custos estão o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis, o ITBI, que é pago à prefeitura do município onde o imóvel está localizado.

Também é preciso levar as taxas de cartório em consideração, que são pagas no momento da escrituração do imóvel.

Como escolher uma empresa para realizar um consórcio residencial?

Ao escolher uma empresa para realizar um consórcio residencial, é importante levar em consideração alguns fatores.

Em primeiro lugar, saiba que todas as empresas de consórcio precisam estar credenciadas junto à ABAC – a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio, e ao Banco Central do Brasil.

Também é preciso garantir que os contratos propostos pelos grupos atendam ao que está previsto na lei nº 11.795, popularmente conhecida como Lei dos Consórcios.

Além destes fatores, podemos destacar 6 aspectos essenciais nos quais você pode basear sua decisão: reputação, transparência, variedade, flexibilidade, experiência e atendimento ao cliente.

Para verificar a reputação da empresa de consórcio, faça avaliações online, cheque comentários de clientes anteriores e verifique se existem reclamações ou processos judiciais registrados contra ela.

Uma boa forma de fazer isso é buscar pelos comentários no Google e a nota dada pelos clientes para determinada empresa.

No caso da Porto Vale Consórcio, por exemplo, a empresa tem uma nota de 4,9/5 nas avaliações do Google, resultado que acompanha comentários que, em sua maioria, são positivos. Este é o caso da consorciada Marcia Campos, que narrou um pouco da sua experiência com a Porto.

“Fui atendida por uma consultora chamada Thainá Schausttz, confesso que tive medo e desconfiança no primeiro momento. Mas ela foi radiante como profissional, além de sua educação e paciência comigo. Conversamos bastante, fui super bem orientada, e hoje posso dizer que um bom profissional faz a diferença em uma empresa”, escreveu ela.

Em relação à transparência da administradora de consórcio residencial, é importante avaliar como o grupo fala sobre suas políticas, termos e condições, tarifas, taxas e outras informações importantes relacionadas ao consórcio.

Verifique se todos os dados estão explicados de forma clara e se são de fácil acesso. Grupos que oferecem respostas evasivas para as dúvidas de seus clientes geralmente não querem mostrar a realidade de suas propostas por completo.

A variedade oferecida pela empresa, por sua vez, está diretamente relacionada com os produtos que o grupo oferece. Portanto, se você tem um tipo de imóvel específico em mente, é importante avaliar se a empresa de consórcio oferece as condições que você procura para consórcio residencial.

Na Porto Vale Consórcio, por exemplo, o catálogo é extenso, e vai de imóveis na praia até reformas de todos os tamanhos.

A flexibilidade também deve ser palavra de ordem no consórcio. Por isso, verifique se a empresa oferece opções flexíveis de pagamento, parcelas acessíveis e opções de antecipação de parcelas e lances.

Também faça questão de verificar se a empresa oferece um bom atendimento ao cliente, incluindo um atendimento eficiente oferecido por especialistas, esclarecimento de dúvidas e um canal de comunicação de fácil acesso.

Por fim, a experiência é outro aspecto que pesa muito na qualidade do serviço oferecido por uma administradora de consórcio. Analise se a empresa tem uma boa experiência em gerenciar esta categoria de negócio, incluindo seu histórico de sucesso e práticas de gestão financeira sólidas.

Ao considerar esses fatores, você pode ter uma melhor chance de encontrar uma empresa confiável e bem qualificada para realizar um consórcio residencial, como é o caso da Porto Vale Consórcio, maior afiliada do Grupo Porto no Brasil.

Entre em contato com um de nossos consultores para encontrar a opção de consórcio ideal para você!